DVD gay grátis
Quarto Internação Hospital Sepaco

[Conto KING] Neto, o moto-boy que virou a minha cabeça – FINAL

Quarto Internação Hospital Sepaco

Caramba, a notícia da ida do Henrique com a tia acabou comigo. Na boa, pior que a mãe dele ainda ligou para a tia mas ela disse que já estava embarcando, o voo estava na hora. 

– O que você  queria falar com ele querido? Era muito importante?

– Era sim tia. Era… Mas tudo bem… Quando ele voltar falo com ele.

– Mas… ele deve demorar a aparecer aqui de novo – Aquilo foi me rasgando por dentro.

– Tudo bem, só quero que ele ouça o que eu tenho para falar. Quando isso acontecer, ao menos ficarei tranquilo.

– Mas se é tão sério assim, liga para ele…

– Quem sabe não é? Até mais tia, até outra hora.

– Ate querido… Apareça!

Parte 1 – Parte 2 – Parte 3 – Parte 4 – Parte 5 – Parte 6 – Parte 7 – Parte 8 – Parte 9 – Parte 10 – Parte 11 – Parte 12 – Parte 13 – Semi Final – Final

Fui andando sem sentido nenhum, não tinha orientação alguma. Fiquei apenas andando e decidi que não ia trabalhar, continuei vagando sem orientação. Cheguei ao parque, aquele parque. Fui ao coreto e fiquei ali sentado, esperando como se ele fosse aparecer a qualquer momento e sorrir daquele jeito. Deitei e fechei os olhos, sentia o vento no rosto ouvindo o barulho das árvores, um som diferente, notas diferentes. Uma leve dor de cabeça aparecendo, me levantei e continuei andando. Ao longo do caminho eu ia reparando nos casais sentados,  rindo e felizes. Pela primeira vez eu pensei que com o Henrique eu jamais poderia ficar assim, como esses casais, mas não me importava pois o que me importava seria estar com ele. Ri um pouco sozinho e tropecei numa pedra, acabei caindo. Acho que doeu e devo ter machucado meu joelho, mas sentia dor na minha cabeça. Não me dei o trabalho de parar para verificar, alguém me ofereceu ajuda. 

– Não precisa, obrigado! – E segui me caminho.

Não sei quanto eu andei, mas andei muito. Certo momento, eu já estava cansado demais e a dor de cabeça leve começava a pesar. O mundo ao meu redor dava voltas e eu sentia um peso muito grande. Voltei para minha casa e no caminho eu lembrei do Pedro. Daquele dia lá na Faculdade, daquele momento que poderia ter sido tão bacana. Lembrei da decepção que tive, mais uma. Lembrei da tristeza que vivi naquele dia e não deveria estar me lembrando mais daquilo. O médico disse para eu esquecer aquilo tudo, mas estava tudo de volta à minha mente numa porrada só. A dor só aumentava e eu sentia frio.

Cheguei ao portão de casa, me apoiei na grade, e me perguntei o que estava acontecendo comigo? Me sentei por alguns instantes, depois me levantei e entrei. Minha mãe falou alguma coisa, olhando para meu joelho e para minha cabeça, mas eu apenas disse:

– To com um pouco de dor de cabeça e vou me deitar…  – Apenas disse isso, entrei no quarto e consegui chegar até minha cama fechado os olhos.

Ouvia vozes de vez em quando, reparava em luzes, mas nada que fizesse sentido. Quando eu abri meus olhos e consegui focalizar tudo ao meu redor percebi que estava num quarto que não era meu com uma pessoa de branco injetando alguma coisa em mim. Vi minha mãe sentada, olhando fixamente por uma janela.

A pessoa de branco reparou em mim e foi até minha mãe, que me olhou, deu um sorriso e vindo até mim me abraçou.

– Você  está bem querido? Tudo bem com você ?

– Tudo, o que houve? Que lugar é esse?

Foi ai que, aos poucos, eu fui descobrindo as coisas. Eu estava num Hospital porque tinha caído e machuquei muito meu joelho, que estava enfaixado. Bati minha cabeça numa pedra e estava com uma faixa também na cabeça também. Tinha marcas de escoriações pelos braços, devo ter caído numa parte da rua que estava em reforma. Mas, o que deixou todos preocupados comigo foi a depressão, sim, há anos que tenho esse pequeno problema que me acompanha mas que há muito não dava sinais de sua presença. Desde o dia em que eu me apaixonei por um carinha mas que queria apenas tirar sarro de mim na frente dos outros, foi uma espécie de humilhação e me deixou muito mal com isso tudo. Não aceitei que as pessoas pudessem fazer isso, não comigo que nunca fiz mal a ninguém. Passei semanas em casa em estado quase vegetativo e a única pessoa para quem eu contei minha situação foi o psicólogo, um amigo, um grande amigo que me ajudou muito. Graças a ele passei anos sem crises assim e gostaria que ele estivesse aqui.

– Quanto tempo eu estou aqui?

– Quatros dias querido! Quatro longos dias!

– Fiquei olhando para ela e tudo foi acontecendo.

– O que houve com você , Mateus? O que fez você  ficar nesse estado?

Olhei para ela, que tinha lágrimas nos olhos e olhei para a janela. As coisas foram voltando à minha mente com uma velocidade incrível, Henrique. Fiquei em silêncio.

– Tudo bem querido, não quero te forçar a nada. Só estou muito preocupada com você, aliás todos nós estamos.

– Isso vai passar, sempre passa.

No meu coração eu só queria poder me explicar para o primo, pode dizer o que aconteceu e isso me deixava tão mal. Fiquei ali mais uns dias e até veio um psicólogo que me falou algumas coisas as quais ouvi com atenção apesar que não quais me abrir com ele. Confesso que essas crises acabavam comigo e a cada crise que eu tinha, parecia que alguma coisa ia embora. Tomando anti depressivos, fiquei um tempo dormindo e na manhã seguinte eu acordeie o  quarto estava vazio. Dei um jeito de ir ao banheiro, mesmo com aqueles trecos de soro no caminho e depois, fui até a janela e fiquei ali. Acho que ficava no terceiro ou quarto andar e eu tinha uma visão bonita de uma área verde. Fiquei ali um tempo e a porta se abre. Deve ser alguém do Hospital para me aplicar mais remédio, não dei muita importância e continuei ali. Mas, como não aconteceu nada, eu decidi olhar para ver quem era e ao me virar me deparo com meu primo, me olhando sério e um tanto triste, mas com um sorriso tímidos nos lábios.

Por um instante eu pensei que fosse uma visão apenas. Fiquei sem ação, sem saber o que fazer. Tentei me sentar, mas os trecos do soro me atrapalharam, ele veio e me ajudou, ficou ali, bem próximo de mim me olhando com cara de preocupado. Fiquei olhando pra ele, sem saber o que dizer, mas…

– Você? Aqui?

– Sim! Eu mesmo! Aqui e com você .

– Você  foi embora.

– Isso não vem ao caso…

– Eu tentei ir atrás de você , mas… Não deu.

– Eu sei. 

– Eu só queria… Eu preciso… Muito… – Comecei a ficar agitado.

– Se acalma e relaxa. Não precisa você  ficar assim, to aqui.

– Eu só queria poder me explicar cara, te dizer o porque daquilo tudo. Eu não tive culpa, eu estava apenas tentando colocar um fim na situação com o Neto para que nós dois pudéssemos ficar… Mas você  foi embora… Entendeu tudo…

– Sim… eu também sei dessa parte também, eu entendi tudo errado. Já me contaram essa parte também – ele se levanta e vai para a outra janela, do lado oposto de onde eu estava – Fiquei espantando, quem poderia ter contado? Quem? Só quem sabia dessas coisas todas eram eu, ele e o… o Neto! Só pode ter sido ele! Mas, como? Como isso? Tentei me levantar para questionar, mas não consegui. Ele viu e vem até mim.

– Calma, cara! Você  pode se machucar?

– Quem te contou todas essas coisas? – Segurei o braço dele – Me conta, quem?

– Você  já deve saber a resposta, não é? – Fiquei estático naquele instante. Como ele fez isso? E porque?

Não precisei perguntar em alto e bom som, pois ele respondeu.

– Eu sai da sua casa furioso com vocês dois, como puderam fazer aquilo? E mais ainda com você. Decidi desaparecer e fui até minha tia, pedi para ela me levar. Fomos no dia seguinte mas ela ficou preocupada comigo e com minha decisão repentina de aceitar a proposta, no aeroporto, nós conversamos muito. Expliquei para ela a situação…

– Você  falou de nós dois?

– Não… e sim… Indiretamente pois não usei nomes. Falei sim que estava apaixonado e que tinha acabado de ser chutado e traído. Ela me ouviu e depois fez alguns questionamentos aos quais fui respondendo a cada um desses. Ela ficou furiosa comigo por eu não ter ouvido você , quer dizer, a pessoa que eu estava apaixonado e me disse para ter te ouvido e não ter saído vomitando e chutando os outros daquele jeito. Tentei me justificar mas não teve acordo, ela não permitiu que eu seguisse viagem enquanto eu não resolvesse a minha situação. Aceitei, mas pedi para ela não falar que eu não tinha ido com ela e foi o que ela fez.

– E ela disse para sua mãe que você s já estavam indo.

– Pois é. Depois eu fiquei zanzando, fui para um hotel e coloque as ideias em ordem. No dia seguinte fui para casae até minha mãe ficou surpresa ao me ver, foi ela quem me disse da sua situação. Que você tinha se machucado e me falou desse seu problema, fiquei ainda mais surpreso.

– Por que você  nunca me disse desse problema? – Fiquei sem jeito mas fui em frente.

– Porque eu achava que tinha acabado, nunca mais tive crises nem nada.

– Você devia ter me contado essas coisas cara, fiquei aflito quando soube, perturbado. Me disseram que você  estava sangrando e que não falava coisa com coisa, que só queria se explicar e tudo. Vim aqui e tentei falar com você mas você  estava sedado. Ao sair, encontrei o Neto parado na esquina. 

– Me assustei, será que rolou outra cena daquela?

– Ele me chamou e pensei que estivesse armando alguma para cima de mim, mas estava errado. Fomos a um parque aqui perto e ele me explicou tudo o que aconteceu. Disse que te amava muito e que sabia que não poderia te oferecer o que você merece, que iria viver no medo de ser descoberto e não terminaria com a namorada por conta disso. Ele disse que não queria ver você  daquele jeito e ficou sabendo o quanto você se machucou por conta da situação. Depois de ouvir ele, me deu vontade de quebrar a cara do inseto apesar de ter sentido pena, mas em consideração a ele e a você, não o fiz e ele saiu. Foi embora e disse que tentaria te esquecer para o bem dos dois, reforçando que não gostava de mim.

– Fiquei me achando um completo imbecil, agora mais ainda. Vim algumas vezes aqui mas você ainda continuava sedado. Minha ideia foi sempre essa, me justificar com você, pedir desculpas e…

– Te amo cara! – eu disse, silencio total.

– Também te amo. Amo mais que ontem e para sempre te amarei. 

Foi assim, de forma simples que nos reconciliamos e fizemos as pazes, nos amando mais e mais. Ele ficou essa noite, tomando de conta de mim. (sic) Só não dormiu comigo porque os enfermeiros de vez em quando entravam para verificar minha medicação. Aquilo tudo só me fez bem e sai três dias depois.

Hoje o Neto mora com a Patrícia e tem uma filha, a qual ele chama de Ângela. Nos falamos as vezes e não passa disso, acredito que por ambas as partes. 

Nunca souberam de mim e do Henrique até hoje. Mas se desconfiam, bem, não temos nada a ver com isso. Ele trabalha fora, com a tia dele. E vem de vez em quando. Não sei se vamos terminar de fato juntos, mas amo ele demais para não desculpar e para não aproveitar cada minuto que ele está comigo.

Quanto a mim? Bem, sou depressivo ainda e passo por fases bem cruéis. Minha vida não é tão fácil, mas eu uso o trabalho para não pensar muito sobre o assunto e quem sabe um dia eu não fique curado disso tudo. O primo torce muito por mim, mesmo distante. É muito bom ter ele ao meu lado, ele me faz tão bem…

Agora já pode tocar a música Just say yes, do Snow Patrol. Era a música que tocava em alguma lugar quando ele me pediu perdão, lá no Hospital e na nossa primeira noite juntos depois que eu sai de lá também tocava essa música no computador do meu quarto.

Já na festa da Formatura dele, ele queria que eu fosse o paraninfo, mas claro que não aceitei e acabou sendo o seu pai. Eu estava lá e ele estava lindo de beca e tudo. Depois, fomos ao banheiro e ele realizou a fantasia dele: ser chupado vestido de beca e quem o ajudou? (Risos) Eu!

No Baile, que foi no dia seguinte, nós não pudemos dançar juntos, mas nossos olhares nos acusavam e o desejo era bem grande. Porém depois, no meu quarto, tivemos o nosso próprio baile e ali realizamos tudo o que queríamos fazer juntos, palhaçadas, comilança e muito amor, claro…

Não sei dizer se vamos terminar juntos, como já disse, mas nos curtimos muito junto… O Amanhã? Vem amanhã…

Se me perguntarem se ainda sinto alguma coisa pelo Neto, responderei a vocês que ele sempre vai estar comigo, no meu peito e numa caixa que eu tenho, com a cueca dele, vocês lembram?

 

The End!

Ps: Os que quiserem entrar em contato comigo podem mandar mensagem para esse perfil no facebook (clique aqui) e me adicionar aos que quiserem. Obrigado a todos pela atenção e pelos comentários deixados aqui, foi muito bom compartilhar essa história com vocês. Grande abraço e até breve!

Já viu?



47 comentários

Comente
  1. Thiago

    Putz! O que dizer desse final? Não tenho o que dizer. Estou com o coração doendo de felicidade por eles, e em saber que no final as coisas aconteceram como deveriam ser. E espero do fundo meu coração que vocês acabem juntos e que continuem vivendo intensamente esse amor, e que nunca deixem que maus entendidos pertubem o relacionamento fraterno e amoroso existente. Por fim, que a FELICIDADE esteja pra sempre em sua vida e que você se recupere o + rápido possível. Abraços

  2. max

    Nossa cara acompanhei sua historia nesses capitulos com gostinho de finalzinho de novela das oito.tipo filme que nos prende ate o fim.engraçado que cada frase sua contada era uma cena que eu criava em minha mente tipo sua casa a praça o coreto as cidades vizinha cada personagem eu dei vida e cor movimentos timbres de voz nos meus pensamentos … cara torço pra por voce e por seu primo se a historia for verdadeira se acaso nao for fica minha admiraçoa formei sua historia como filme divididos em contos na minha cabeça ,poderia virar filme e msm!! rs .sou do interior de sp.tenho face seria um prazer ter vcs na minha lista de amigos !! rs se quizer deixar face eu adiciono abrçs !!! sorte grande sempre.

  3. Lipe

    Poxa , mega incrivel esse conto ,sei bem como é a depressão destroi por completo , mais isso com o tempo vai sabendo como lidar com isso ,ótimo conto melhor impossivel , amei você e seu primo realmente se merecem.

  4. Gabriel

    Parabéns pela história!! Foi linda e fantástica! Estava torcendo para que você e o Henrique ficassem juntos, você merecia essa felicidade sincera. Torço muito para vocês dois e para que você se cure da sua depressão!! Espero que em breve tenhamos notícias novamente desse casal!!

    Um grande abraço!

  5. Edson

    Luiz, tenho acompanhado sua história desde o início e confesso que fiquei muito emocionado com ela. Viver uma montanha russa de sentimentos como esses é muito bom, ariscado e posso até dizer libertador. Bom porque nos sentimos querido por alguém, ariscado porque no amor ninguém sabe o que realmente pode acontecer, e libertador, pois cada dia que vencemos algo nos tornamos mais fortes.
    Bem vou deixar aqui em baixa um endereço no facebook e um e-mail também, e espero que possamos nos comunicar em breve, um forte abraços, tudo de bom pra você, seu fã Edson.
    https://www.facebook.com/profile.php?id=100005285438272
    zindrapotter arroba hotmail ponto com

  6. Matheus

    Cara, sem palavras, estou chorando aqui.
    Sabe aquele sentimento que você tem, aquela dor, aquele amor por uma pessoa que você nem sabe quem é?, mas no fundo você sabe que esta gostando de alguém, pois é. Durante a leitura do seu conto (historia real) eu pude ver que estou apaixonado, você me mostrou que o amor ultrapassa qualquer barreira, qualquer dificuldade.
    Não sei se sou gay, nunca tive relações com homens mas sinto um pouco de atração, nunca namorei,só fiquei com mulheres e nada mais. Mas acredito que o AMOR de duas pessoas seja elas homossexuais ou não, são verdadeiros. Espero que você e o Henrique possam ficar juntos algum dia e que você melhore, sei o quão ruim esse trem chamado depressão ( já tive familiares com isso).
    Eu queria entrar em contato com você mas o link do Facebook que você deixou não entra. Gostaria de fazer inúmeras perguntar rsrsrs, por isso deixo meu Skype e meu e-mail: “matheus-xz1” , “[email protected]”.
    Abraço e ate.

    • Marcelo

      Cara , sei como e isso , e sinceramente sofro muito por causa disso . A umas duas semanas atrás conheci um cara que me apaixonei por ele (nunk tive lances com homens só com mulheres msm), não sei se ele era hétero ou gay , ate pq não tive coragem de investigar a opção sexual dele , pois tive medo de saber a verdade e me decepcionar , mas posso dizer que ao lado dele eu me sentia a pessoa mais feliz do mundo , meu coração batia forte e passava pela minha cabeça: “isso e amor?” , no fim só me restaram saudades e o vazio de um amor não correspondido , e vou ser sincero , o conto e bom mas tenho minhas duvidas se o conto e real ou irreal .

      • Matheus

        Cara, amar e não ser correspondido é muito ruim, mas o pior é você amar alguém e não ter coragem de se abrir. Parece que você esta em um mar onde ninguém pode te ajudar e você só fica se afogando.
        Por isso te digo uma coisa “viva a vida”, pois o amanha você não vai saber o que vai acontecer. Tenha coragem e se abre com ele, a melhor coisa do mundo é você ficar ao lado da pessoa que ama. Ficar juntinha e poder dizer o quanto ele(a) é importante pra você e dizer que o ama.
        Ainda não vivi um grande amor, mas posso dizer que sei como é( ou não rsrs). Um dia espero encontrar o grande amor da minha vida, seja ela hétero ou homossexual.
        Ao respeito do conto, não posso te dizer que é real ou não, mas foi um ótimo conto, senti cada sentimento colocado nele.

        • Marcelo

          vc esta certo , na hora eu me senti inseguro, mas hj n me hesitaria em chegar nele , mas o que acontece , e que eu me encontrei com ele em uma chácara , e lá tava tendo uma festividade familiar , foi quando eu vi ele chegando , ele e muito bonito , tipo tem olhos verdes , moreno bem claro , estatura mediana , cabelos curto e preto , resumindo , um cara de encher os olhos , no começo eu n acreditava que pudéssemos nos conhecer , ate pq eu pensava assim : “Esse playboy , deve ser metido a garanhão , só mais um nariz empinado querendo paga de bacana” , só que eu comecei a perceber que ele me encarava e muito , foi quando eu decidi me aproximar , e ele puxou assunto comigo , eu tenho cabelos compridos , ele elogio bastante , aquilo me quebro em pedaços , pois ele era bem humilde , ele disse que curtia o meu estilo , pedia ate umas dicas hehehe, e como não tenho experiência com homens , fiquei sem saber como poderia desenrolar aquilo , a gente converso por um tempo , ate que ele resolveu entrar na piscina , só que eu estava sem roupa de banho então não deu pra entrar , mas depois que ele saio a gente brinco com uns cachorros lá , um babou no meu braço então aproveitei a situação e comecei a esfregar meu braço nele com desculpa que estava limpando , e isso não incomodou ele , só disse assim ,”minha camisa ta molhada mesmo ” , depois a gente começou a se divertir jogando domino , foi quando eu fiquei do lado dele , tentando aproximar meu corpo com o dele , e deu certo , teve um momento que eu estava colado nele , ele colocou o braço junto ao meu e com o outro veio ao meu rosto , mas na hora apareceu umas meninas querendo jogar com a gente –‘ , então ele pediu meu óculos de sol emprestado ,e comecei a perceber que ele estava mais confiante , e quando tudo parecia encaminhar , apareceu uma maldita mulher chamando ele pra embora , affs , sinceramente queria dar um tiro nela ! acho que era a tia dele , ele se despediu , e quando olhei nos olhos dele , pude perceber que eles diziam algo . Hoje tenho raiva de mim , por não acreditar que um cara tão lindo pudesse se interessar em mim , e por causa disso não levei ele a serio , não tenho contato com ele , mas vivo de esperança que talvez possamos nos encontrar de novo , alias , esperança e a ultima que morre.:)

          • Matheus

            Pena que esse momento durou pouco. Quem sabe um dia você encontra ele. Pensei que voce tinha contato com ele, tipo era amigo.
            Vire um detetive, procura ele, pergunta quem é ele pra pessoas que estavam dando a festa, tenho certeza que alguém sabe quem é ele ou aquela mulher que chamou ele.
            No que você disse deu pra notar que ele estava interessado em vc, poderia ter chegado nele, mas as incertezas nos prende, sei como é.
            Boa sorte, e que um dia encontre ele. Vc tem qts anos msm ? se quiser conversar mais comigo me add no skype. Meu nome do skp ta la em cima.

  7. Junior

    Cara eu to chocado com o seu conto!!! Verdadeiramente não esperava teu surtoo de depressão… E que bom que o neto caiu em si e fez o que era melhor a todos…

    Sobre o seu primo… Espero mesmo que vocês terminem felizes… pois esqueça o que os outros pensam e viva o que vc quer!

    Pena mesmo que acabou!!!

    Ótimo conto!

  8. Carlos Alberto

    Gostei muito da sua história, achei um pouco parecida com O TERCEIRO TRAVESSEIRO, mas parabéns, valeu cada parte q li. Pena mesmo que acabou…

  9. David

    mds amei muito esse conto, cara espero que você melhore (nunca tive depressão, então não sei como é), e espero que você e o Henrique fiquem juntos haha, ótimo conto, o melhor que eu já li haha, quero ter sua sorte de amor (gosto de um amigo meu da minha sala, sou do 1° ano, 15 anos, SP capital, e é horrível eu querer contar tudo pra ele mas ter medo de não ter esse amor não correspondido e perder uma amizade) correspondido igualmente haha bom é isso !!!

  10. [email protected]

    Me lembrou aos pequenos toques e pitadas, as vantagens de ser invisível…

  11. Rodrigo

    Nossa cara q conto lindo! Estou chorando muito com o esse final, ou será apenas um começo?! Vc merece ser feliz e de preferencia com seu primo rsrs talvez se assumir esse amor sua depressão n passe? N sei da sua vida, se isso é possível, mas viemos ao mundo para ser feliz e qto aos outros?! Ligue o foda-se e seja feliz!

  12. Miguel Lírio

    Por favor, voltem a postar mais contos como este!
    Além de variar o conteúdo do blog, irá garantir mais visualizações.
    Por causa desse conto eu visitava a página todos os dias pra acompanhar cada parte da história.

  13. Luis

    O conto é praticamente todo real pessoal… Apenas os nomes e alguns lugares foram trocados… As pessoas existem de fato e, sei lá, não são nada incomuns… Nem mesmo eu com minha deprê…

  14. Cristiano

    descobrir o conto e ler só agora teve suas vantagens, simplesmente não consegui parar de ler, e li um capitulo atras do outro! Sem ter que esperar até o próximo sair (kkkkkkkk) Quero deixar meus parabéns ao autor. Muito bom!! Mesmo agora, apos o final, estou com gosto de quero mais!! Linda historia. Parabéns novamente!

  15. Anônimo

    Oi,eu acabei de terminar de ler o conto e é incrível eu to tipo: apaixonado por ele,pela história ,e queria muito saber como você é ,a gente (pelo menos eu) imaginei os personagens na minha cabeça e eu quero muito saber com você é ,se tiver como deixar o seu facebook sei lá pra que ru possa saber como você é , eu irei amaaaar, obg pelo conto é maravilhoso

  16. Tob

    Não sei, mas tenho a impressão do Matheus ser mais afim do Neto do que do Henrique, coitado dos caras, situação compliacada… todos se precipitaram na história, o Matheus deveria ter dado mais tempo pro Neto, o cara deve ser infeliz até hoje lembrando do que sentiu pelo seu patrãozinho. Se poder deixa e-mail aqui Luis, pro pessoal que curtiu entrar em contato com você, pois de alguma forma nos apegamos a você.
    Melhoras pra sua saúde.

  17. Luis

    To aki ainda pessoal… Sou Luis e quem quiser saber mais eu vou postar o que aconteceu depois disso tudo… Podem entrar em contato comigo pelo face mesmo.

  18. Vinícius

    Nossa chorei muito com este final! Mateus espero que um dia você possa curar essa fase de depressão, e que você viva feliz com quem te faz feliz e quer o seu bem.
    Parabéns pelo ótimo conto, e queria muito que virasse um livro ou um longa metragem! Beijos..

  19. Anônimo

    Na boa… Parabéns!
    Não sei se, como vc disse, essa história é real. Se for, gostaria de te dar um abraço, pois vc realmente passou por várias dificuldades. Se não for, parabéns pelo enredo. É muito bom! Quase uma novela! Além de porra, me tirou lágrimas, sorrisos, angústias, tristezas e raiva… Adorei a história! Se possível, escreve mais. Por favor…

  20. deleted

    Na boa… Parabéns!
    Não sei se, como vc disse, essa história é real. Se for, gostaria de te dar um abraço, pois vc realmente passou por várias dificuldades. Se não for, parabéns pelo enredo. É muito bom! Quase uma novela! Além de porra, me tirou lágrimas, sorrisos, angústias, tristezas e raiva… Adorei a história! Se possível, escreve mais. Por favor…


Comente! Faz muita diferença para nós