DVD gay grátis

Ronald (filho do Ronaldo), a patrulha e o Brasil que não acordou

“Fora, Feliciano!”. “Vem, vem pra rua vem contra o machismo o racismo e a homofobia!”, os gritos das ruas, nas manifestações que viraram moda no Brasil, às vezes parecem ser da boca para fora. Um exemplo, banal, mas gritante, pulou ontem na nossa cara. Ronald, 14, filho de Ronaldo Fenômeno, foi fotografado saindo de férias com a família. As fotos foram tiradas por um jornal carioca e fizeram sucesso na internet. Motivo: o garoto estava com um amigo, tinha corte de cabelo “sei lá o que” e carregava uma mochila infantil rosa. Pronto. “Bicha, viado, se não dá empresta”, na rede, na mesa do bar e no supermercado depois de ver fotos do menino.

Vamos combinar. Ir à manifestação contra homofobia e depois chamar um adolescente de 14 anos de viado na Internet NÃO VALE. Regredimos 30 anos depois de ver as fotos do garoto. Menino não pode usar rosa. Nem viajar com amigo. Tem que ser machão. Se não, a gente corre para a internet e xinga de viado. Como se ser gay fosse xingamento. Como se a gente tivesse algo a ver com a orientação sexual de um menino de 14 anos. Parabéns.

Não é de hoje que a família de Ronald enfrenta preconceito. As fotos dos “Nazário” saindo de férias, em si, já parecem uma afronta. E sabe por quê? Porque eles estão felizes. A família, cheia de crianças e com a avó indo para a Espanha, parece uma família normal, como a nossa. Todo mundo rindo, uma bagunça. Mas famoso tem que ser blasé e chique. E postar fotos no instagram com o filtro certo. Se não, nossa, “que cafonalha”, grita o cafona. “Narciso acha feio o que É espelho”.

Já chamamos o pai de Ronald de pai de balofo, Gornaldo e patrulhamos cada centímetro da sua barriga. Agora, é a vez de xingar seu filho. “O Brasil mudou”. Sei. Sei. Conta outra. Free, Ronald! Tamo junto, família Nazário!

Nina Lemos

Sexualidade de filho de Ronaldo Fenômeno faz gays vomitarem homofobia internalizada

Foi só descer a timeline do Facebook nesta quarta-feira [17], que me deparei com comentários de conhecidos gays acerca da sexualidade de Ronald, o filho mais velho do ex-jogador Ronaldo Fenômeno. Tudo porque o garoto, que está com 13 anos, atualmente ostenta cabelos alisados, mechas loiras e foi visto ao lado de um amigo no aeroporto, que vai passar as férias junto com a família em Ibiza, na Espanha.

As fofocas davam conta que o visual era semelhante ao de Maria Gadú, que o tal amigo era muito “suspeito” e que logo ele estaria “confundindo” mulher com travesti assim como o pai.

Porém, mais que especular a vida sexual de Ronald [que sinceramente ficou muito mais moderno com o novo visu], me surpreendi com tal discurso tortuoso de LGBTs. Afinal, será que dá para considerar alguém qualquer coisa que seja somente pela aparência? Será que somos tão retrógrados ao ponto de achar que um hétero não pode ter um amigo mais próximo? Ou alisar o cabelo? Será que ainda achamos que as travestis enganam as pessoas?

E, o pior, será que ainda vemos a homossexualidade como uma ofensa ou uma maneira de desqualificar o outro?

Essa reprodução impensada é fruto da homofobia internalizada – sim, palavrinha tão utilizada e desgastada, a qual muitos de nós reproduzimos cotidianamente. Claro! O gay nasceu e foi criado em uma sociedade heteronormativa e machista, logo está carregado de pensamentos do tipo! Ele aparece quando desqualificamos alguém da roda por “ser muito gay”, quando rejeitamos LGBTs no Facebook, quando dissemos não gostar de ver um beijo gay em público, quando assumimos preferir ser héteros, quando gritamos “Feliciano, sua passiva” em uma manifestação. Ou quando chamamos um galã de gay para tirar a virilidade dele.

Quanto aos que “apenas” tinham a intenção de tirar uma com a cara de Ronaldo, que em 2008 se envolveu em um barraco com a travesti Andreia Albertini, saiba que a história teve um fim trágico. Quantos aqueles que acham que as pessoas devem sair do armário, talvez devam respeitar o espaço e o tempo de cada um. Afinal, que diferença faz se Ronald é gay ou não? Já para quem procura uma solução mágica para não cometer tais deslizes, pense um pouco antes das piadinhas e reflita se não está tentando combater a homofobia na via da própria homofobia.

Para Ronald, um só desejo: se joga, boas férias!

Já viu?



6 comentários

Comente
  1. pedro

    concordo em genero e grau,o povo nao tem o que falar e fala besteira demais.deixe o garoto em paz, e se for gay muda em nada, se ate o filho do edir macedo é gay.pedro

  2. pedro

    cara adoro seu site vc deveria postar estas fotos http://www.gayfotos.com.br/galeria/AG-1374083556 o nick participou de um seriado chamado Casa dos gigolos da tv acabo onde as mulheres e seus maridos contratavam um gigolo e a mulher transava com os caras que eram lindos e o nick era o badboy da serie todo estiloso e era sexo real apesar que nao mostrava muito mas algumas vezes dava pra ver eles pelados rapidinho e o pau entrando na mulherada , a cena mais engraçada e ele e outro gigolo depilando o cu é hilario bjcs. se eu encont5rar esta serie que nao lembro do site que eu tirei eu posto aqui.pedro

  3. Petter Manaus -AM

    Gent…tudo isso é …resumido em 1a só palavra….INVEJA…pois ele tm 1 pai e tanto tmb igual tantos outros filhos dos famosos do mundo inteiro…e ele é novinho,saudavel e é AMADO por sua FAMILIA…quem ñ sonha ser assim…FELIZ…é só passar se gostar tmb…já será o começo…enfim…ele é JOVEM…é da NOVA GERAÇÃO msm…contrario do pai dele q precisou fogar futebol pra sair da pobreza msm isso ñ é segredo pra ninguém o Brasile o mundo inteiro viu assistiu pela tv…todo inicio das vitorias do chamado Ronaldinho O fenômeno…ele…foi e sempre será 1 grand exemplo pra milhares rapazes sonham com msm carreia sportiva,entao o filho dele nasceu msm em berço d ouro tmb e pronto

    É aquilo quem pode pode…quem ñ pode se sacod kkkkkk


Comente! Faz muita diferença para nós