tumblr_n3tiglomoT1rhnzxyo1_500

[Conto KING] Neto, o moto-boy que virou a minha cabeça – Parte 4

tumblr_n3tiglomoT1rhnzxyo1_500

Coloquei o dedo nos lábios dele e voltei a beijar. Poucos segundo depois esboçou uma reação, abriu a boca e ao menos tempo que eu invadia a sua boca ele invadia a minha. Primeiro momento foi um beijo devagar. Línguas se encontrando, as mãos se tocando. Depois a pressão e o calor foram aumentando. O que era devagar passou a ficar intenso. Joguei ele para trás e fui pra cima dele. Não queria descolar minha boca da dele e nem da minha. As mãos já iam longe, alisando tudo e mais um pouco. Meu pau latejava e eu sentia que o dele estava a ponto de explodir.
Me soltei dele por um instante e perguntei: 

– Ainda queres ir embora?

Parte 1 – Parte 2 – Parte 3 – Parte 4 – Parte 5 – Parte 6 – Parte 7 – Parte 8 – Parte 9

Não tive resposta, apenas me puxou para si e nossas bocas voltaram a se grudar. Ele estava com a barba por fazer e eu também. Ficávamos roçando nossos rostos e isso estava me deixando ainda mais animado. Depois resolvi fazer algo. Fui beijando seu queixo, seu pescoço. Lambi e mordi seus mamilos. Ele tremia e gemia. Continuei mordendo e lambendo. Depois fui para o umbigo. Enquanto isso eu ficava massageando seu cacete que latejava na minha mão. Fui beijando aquele caminho que tanto me fascinou. Baixei o short e aquele cacete dele que eu tanto desejava pulou. Segurei ele, tamanho normal e cabecinha rosada (ele era moreno claro), tortinha para a direita. Comecei a lamber o cacete olhando nos olhos dele. Ele gemia de prazer e eu estava me amarrando com aquilo tudo. Depois de lamber bastante, engoli o cacete dele, que tremeu. Fiquei ali chupando, me deliciando com o cacete dele. Tirei o short dele por completo, abri as pernas dele, e fiz a festa. Chupei muito aquele cacete. Depois fui para o saco, daqueles cumpridos com as bolas penduradas. Lambi e chupei cada bola e depois tornei a mamar. O pau dele babava e eu, como curto muito aquela baba, comecei a lamber fazendo questão que ele visse.

Depois fui subindo e tornei a beijar aquela boca linda. Ele se animou ainda mais e passou pra cima de mim. Me beijava, me lambia, mordia. Segurava meu cacete por cima da cueca e socava uma que me deixava nas alturas. Foi baixando, beijava meu pescoço, mordeu meus mamilos com força que eu me contorcia a ponto de gozar. Foi descendo, arrancou minha cueca e caiu de boca no meu pau. Que boca era aquela? Chupou com força, gostoso demais. Tive que segurar a cabeça dele para eu não gozar. Rs

Abocanhou meu pau com propriedade. Comecei a socar em sua boca e ele começou a gemer. Voltou a me beijar. Os dois já suados naquele sofá que estava pequeno para tanto tesão. Paramos um pouco, olhamos um para o outro e começamos a rir. Coloquei meu dedo na boca dele e ele começou a chupar. Depois passou a mão no meu pau, que estava babando, pegou um pouco com o dedo, ficou segurando na minha frente e começou a lamber e eu o acompanhei. Olho para ele e digo:

– Mototáxi safado!

– Aprendi com o patrão. – Mais risos. O alarme do telefone toca. Hora de tomar remédio.

– Pera aí que tenho que tomar o remédio. Não posso passar do horário. 

– Mas o seu remédio está aqui, oras. Sou eu. – Eu ri pacas. 

– Não, não. Você também mas o remédio é necessário para eu melhorar.

– Oras, você está com dor? Não né? Pois é! Te curei.

Ri muito dessa palhaçada dele. Mas me levantei, com o pau duraço e meio sem jeito, coloquei a cueca e fui para a cozinha. Tomei a medicação. Ele veio atrás de mim, me agarrou, me deu um beijo daqueles, me empurrou contra a parede e me disse, com uma voz bem sacana.

– E essa cueca aqui? Pra que? – Abaixou minha cueca e caiu de boca no meu pau. Me sentei na mesa da cozinha e ele continuou fazenda festa. Já não estava conseguindo segurar. Levantei ele, segurei com a pernas e boca com boca de novo. Me afastei um pouquinho e sussurrei.

– Vamos para a cama?

– Pra já! – Ele se vira, pulei na sua costa, e vamos para o quarto.

Chegando lá ele me joga na cama e avança. Cai de boca e mim, na boca e depois no cacete. Faço o mesmo e ficamos num 69. Delícia de ver e fazer. Eu chupando cada pedaço daquele cacete e ele mamando o meu, com uma cabeça bem vermelha. Meu pau era mais grosso que o dele, mas o dele era maior. Ficamos chupando e lambendo, olhando um para o outro, vez ou outra o beijo rolava. E ele começou a alisar minha bundinha.

Depois de me beijar muito, me vira, me coloca de quatro, empina minha bundinha peludinha e cai de boca. Pqp. De onde essa cara tirou tanta coisa? Começou a lamber com força, enfiando a língua, beijando, lambendo mais. Depois foi ate mim e me disse se ele poderia me penetrar.

– Cara, sou todo teu aqui e agora. Eu tenho camisinha aqui na minha gaveta. A chave está na gaveta de baixo. Ele abriu a gaveta e tinha umas quatro camisinhas, eu acho.

Foi a deixa que ele queria. Pegou as camisinhas e continuou beijando e lambendo minha bundinha. Senti que ele começou a força um dedo. Relaxei. Ele foi colocando. Uma dorzinha vinha. Gemia. Ele tirava e tornava a colocar. Começou a chupar meu pau e colocando o dedo. Ate que conseguiu colocar tudo. Me segurei onde podia. Ardia muito mas não queria parar. Ele ficou colocando e tirando até que eu relaxei.

Depois ele colocou a camisinha, cuspiu no cacete e foi colocando. Caralho. Esse lance dói demais. Muito mesmo. Mas não queria acabar com o prazer dele. Com o cacete todo em mim, ele começou a bombar. Devagar no começo e foi ficando cada vez mais rápido. Depois ele me virou de frango assado, coloquei as pernas no ombro dele e ele entrou. Ficou socando e estava muito bom ficar ali vendo aquele cara que tanto sonhei em cima de mim. E com tanto prazer. Nossos gemidos eram compassados e nos deixavam em êxtase. Depois de um tempo, ele se aproxima do meu rosto, atraco ele com as pernas e nos beijamos enquanto ele ficava socando, beija meu pescoço, fica me lambendo até que sussurra ao meu ouvido:

– Quer me penetrar também? – Caraca, pensei eu. 

– Quero sim. Muito. Desejo isso há muito tempo. Até sonhei com você ontem.

– Ah safado, já estava me desejando não é? Agora vai ter que fazer do jeito que sonhou.

– Delícia. 

Nos soltamos. Ele tirou a camisinha. Que tesão. Tava todo dolorido mas o tesão só aumentava. Ele pegou a camisinha e colocou em mim com mó cara de safado. Tremi e quase gozei com ele me encarando. Ele deitou de lado e eu fui por tras dele. Ergueu a perna e eu fui entrando bem devagar. Ele era muito apertado. Não parecia ter muita prática nessa parte. Tirei pau, cuspi um pouco e fui colocando. Ele começou e gemer.

– Você está bem?

– Tô sim. Só que esta doendo pacas. Vai devagar mas não para.

– Se quiser eu paro.

– Não, não para. Vou ate o fim.

Isso me empolgou e continuei colocando enquanto ele gemia, arfava, se contorcia de dor. Conseguir colocar tudo e ele deu um gemido forte. Dei um beijo nele bem gostoso e continuei socando. Bem devagar. E ele começou a gemer dizendo:

– Mete mais, vai. Mete.

– Você quer que meta gostoso é?

– Mete bacana em mim. Isso.

Comecei a bombar bem forte nele, que gemia e gemia. Pedido para não parar. O cara tinha uma bunda muito gostosa e ficando apertando meu cacete quando entrava não querendo deixar sair. Tava muito gostoso. Arranquei o pau de dentro dele, deitei ele de peito pra cima, ergui as pernas dele e soquei bem fundo. Ele gemeu gostoso. Cai de boca na boca dele e ficava só entrando e saindo. Muito gostoso. Muito. Tava quase gozando. Comecei a punhetar ele. Ele disse que ia gozar e comecei a punhetar com mais força.

Caraca. Pqp. Gozada sensacional a desse carinha. Muito leite saindo e melando a minha mão e o corpo dele. Ele gemeu demais e se tremeu muito enquanto jorrava aquele leite branquinho. Fiquei com vontade de beber mas, enfim, nos tempos d hoje não se pode confiar mesmo. Aproveitei, arranquei o pau dele e tirei a camisinha.

– Você vai gozar já?

– Vou sim. Punheta meu cacete vai.

– Só se for agora. Ele, do jeito que estava, começou a me punhetar. Eu estava delirando. Não aguantei mais e gozei. Demais. Mais leite em cima dele. Um dos meu jatos atingiu o queixo dele. Foi show. Ficamos ali alisando o pau um do outro. Depois, com o dele, fiquei espalhando o leite por cima dele e me deitei em cima dele, beijando ele freneticamente. Um beijo muito gostoso. Depois olhamos um para outro e caímos na risada.

– Seu mototaxi safado, só escondendo o jogo né?

– Eu? Nada disso! Você é que ficava bancando de inocente mas tava era afim de traçar o mototaxi aqui.

– Kkkkkkk Eu estava mesmo e tracei. Pronto. Arrependido?

– Claro que não. Quero é mais.

Mais risos. Eu me afastei um pouco dele e disse:

– Ei rapá, você está todo melado. Vai acabar com o meu lençol.

– kkkkkkk. Como se você não estivesse.

– Vá já pro banheiro muleke!

– Só se você vier comigo.

– Ah, quer que eu te de um banhozinho é?

– Quero sim. Muito. Quero ser teu.

– Caraca. Você quer me deixar doidinho né?

– Quero sim. E o teu cacete aí não nega.

– kkkkkkk E o teu também não né? Já quer de novo?

– Claro. O que é bom, a gente repete. Kkkkkkkkkk

– Kkkkkkk. Palhaço. Vamos para o banho.

– Vamos.

Nós dois nos levantamos todos melados e fomos ao banheiro terminar a noite. Claro que não rolou apenas um banho né? Ele chegou logo me colocando com as mãos na parede. Me lavou todo, dos pés a cabeça. Depois me deixou de costas para ele, segurou na minha cintura, começou a beijar minha nuca e meu pescoço, depois foi apertando meus mamilos e começou a esfregar seu pau na minha bunda.

– Olha a camisinha viu?

– PQP! Esqueci. Ficou onde?

– Na cama oras.

– Vou lá pegar. Não se mexe.

E nem queria me mexer. Posso dizer que estava extasiado e me perguntava se aquilo tudo era de verdade. Pow. Ontem eu estava batendo uma pra ele. E hoje eu estou com ele. No meu quarto, tomando banho comigo. Pqp. Coisa boa.

Ele voltou e trouxe duas camisinhas.

– Uma pra mim e outra pra você. 

– seu safado.

– Kkkkkkkk. Coloca pra mim?

O pau dele estava duraço de novo. Claro, antes de colocar fiquei chupando ele por um bom tempo. Mamando mesmo. Consegui colocar todo ele na boca e fica segurando o saco dele enquanto mamava. Depois eu coloquei a camisinha nele, me segurei na parede e ele encaixou. Sentir o corpo dele colado ao meu e aquela barba por favor me encheu mais ainda de tesão. Ele começou a gemer. Indo e vindo. Me empinando ainda mais. Tirava, passado o dedo na minha bunda e colocava de novo. Depois de um tempo, pegou a camisinha da minha mão, colocou no meu pau, depois de dar uma bela chupada e ficou no meu lugar. Encaixei nele bem gostoso e fiquei ali, enrabando aquele carinha gostoso pacas. Depois ele me pegava de novo e depois era a minha vez. Foi um troca troca show de bola. Quando percebeu que eu ia gozar, se sentou no chão e pediu para eu gozar em cima dele. Gozei mesmo. E na hora dele gozar, não fiz por menos. Tomei um banho de leite de macho na moral. Depois disso, foram só beijos e o final do banho.

Fui pegar uma toalha pra ele, nos enxugamos, colocamos um short (fiz questão de vestir ele). E perguntei:

 Você quer comer algo?

– Já comi (com olhar sacana e safado).

– Palhaço. Sério! Você está com fome? Posso ver algo para fazer.

– Você não disse que não sabe cozinhar?

– Oras, mas dou meu jeito

– Bem, então se manda que eu sei cozinhar.

– O que? Você sabe cozinhar? Como assim?

– Hahahaha Vou já te mostrar. Me mostrar o que você tem por ae de bom?

Mostrei meu pau pra ele e minha bunda. Ele apensa riu com cara de safado.

– Isso ae eu ainda vou pegar mais tarde. Mas eu quero saber o que eu posso cozinhar.

Fui mostrando a ele o que eu tinha na geladeira, nos armários e na despensa. Ele ficou olhando. Depois acho que teve uma ideia. Pegou carne, uns temperos, um tipo de massa e outras coisa. Me deu um baita beijo e foi para o fogão.

E eu fiquei pensando. O que ele vai aprontar?

Continua…

Ps. Não esqueçam de comentar!

Já viu?



12 comentários

Add yours
  1. Rafa

    Tá muito bom! Acho que é o meu preferido dentre os que já botaram aqui kkk. Tá um clima muito bom entre esses dois, pode continuar assim.


Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.